quinta-feira, dezembro 20

São ridículas

Já se passaram 31 meses desde aquela noite clara de verão. Você sentada a beira de uma varanda com um copo vazio na mão e a cabeça cheia de pensamentos que voavam.
Estava triste, precisando de alguém para conversar, então vi você, não como uma porta aberta convidando para entrar, mas como uma rocha intransponível que eu teria ao menos que tentar.
Sentei 3 corpos de distânciade você e cantarolava o refrão de uma música que só ele me bastava "... não diga que a canção está perdida...", você olhou de lado, sorriu levemente e abaixou a cabeça. Tímido que sou, queria saber seu nome mas algo me prendia, você sabia o que eu queria e adiantou-se. Conversamos a noite toda e um pouquinho mais, sorria sincera, mas com um ar de distância, não sabia adentrar as profundezas desse pensamento, mas também nem precisava, seus olhos me diziam cada palavra do que sentia.
Os seus cabelos negros, brilhavam à luz da lua, a sua pele reluzia como ouro. Você se aproximou de mim e levemente repousou a cabeça no meu colo, não entendi mas estava admirado demais para questionar qualquer ação. Passeava a minha mão esquerda sobre o seu cabelo, como se estivesse rabiscando poemas em um papel, o coração já não estava mais apertado, a rocha se partira, os ventos sopraram e dali em diante o rumo mudou.
Você se sentou, me olhou fixamente e levantou-se. Foi embora sem pensar, sumiu na noite clara, pensava em nunca mais te enconrtrar. Mas estava errado, agora você está em qualquer lugar.

T.D.O.Marques

sábado, dezembro 1

"Cai nessa ciranda..."


Foi a lua que sorriu pra mim
Foi o sol que iluminou minha varanda
Cai nessa ciranda
E não posso mais parar

A lua clara sorriu pra mim
O sol escureceu e acalmou-se
O arco-íris inverteu-se
E a Terra parou

A rodada rodou
A ciranda se acabou
E a Terra seguiu sozinha
Sozinha a rodar.

T.D.O.Marques




sexta-feira, novembro 2

Voar e voar



Buscando respostas
Achou problemas
Em uma simples história
Tornou-se idiota

Traz companhia
A estrada a caminhar sozinho
Passos firmes
Passos com leveza

Na sua pele
Cada suspiro
É um arrepio

Na sua mente
Cada palavra
É uma carta

Cartas e cartas
Embaralhadas e sumidas
Tornam frias e sumidas
As suas poucas alegrias


sábado, outubro 27

Salve Brazil

Vezes pensamos que temos a obrigação de fazer o outro enxergar a nossa verdade.
Quem cagar sua regra? Cague-a e a coma sozinho, escondido
Quer disseminar sua salvação e amar o próximo? Pergunte ao próximo se é do interesse dele.
Não me venham com hipocrisia, se você não segue o que fala, para que apregoa aos quatro cantos?
Não suponha fatos, pois fatos são verdades definitivas, e de fatos eu estou cheio.
Você acha que a verdade desmedida, é agressividade e que sinceridade demais machuca?
Então viva na mentira, e continue no seu mundinho particular, por que de mentirinha em mentirinha vivemos no caos.
Mas você não tem nada a ver com isso, até por que a sua foi apenas mais uma mentirinha, né?
Continue assistindo a Globo, folheando a VEJA, e acredite que o mundo é tão bonito pelo direito sol torto.
Continue observando a lua e o sol da sua janela quadrada e buscando perfeição na selvajeria.
Exploda de alegira, derrame champagnen, whisky e vodka, chegou o ano novo, lá é vem a puta Copa.
Reclame do dinheiro sujo, das obras mal-acabadas, dos roubos desmedidos, mas antes de sair não esqueça seu ingresso.
Vamos para a frente salve a Confederação, Brazil de Sul a Sudeste, aah meu vasto Brasil, terra da garoa e chimarrão, aqui não tem apagão, apagão é coisa de preguiçoso safado, de pobre encaracolado, agora verá escuridão, por que pobre vida, só viu sol e facão.

terça-feira, outubro 16

Sua rua na lua

'A grama que pouco se move
Acompanha o seu caminhar leve
Aquele sorriso maroto no rosto
A curvatura certa de cada elemento teu
Transforma a lua em rua
Aí ela é toda sua...'

T.D.O.Marques

terça-feira, outubro 9

O mágico Thales.



O mágico, ilude, ludibria, faz enganar-se qualquer ser com o uso de técnicas e elementos pouco conhecidos.
O ator, interpreta e faz textos se transformarem em obras inigualáveis.
Mas o gênio, te leva a dimensões nunca antes vistas, com suas técnicas, talento. Transforma-se em mágico e te ilude, com suas palavras muda pensamentos, faz o ser virar algo inútil, passível de inexistência, pois a existência já é toda do gênio.
Mas o gênio também é ator, ator de seu próprio texto, em seu contexto, faz da simples composição elementos de invocação divina. Usa e abusa da sua simpatia, do seu modo cadenciado e acelerado, transforma a voz, muda o tom, utiliza os nuances de sua plateia, explora seu público, sem cobrar nada por isso.
Compõem como a água do rio que passa, é natural, é implícito a ele. Interpreta como o voo de um cisne, desfilando a sua beleza, o seu saber de si, a certeza de que sua alma já é do céus e nem precisa sair do chão.
Das mil qualidades, tem quase todas, só não a humildade, porque humildade é para os fracos, que não conhecem o seu poder. Isso não é uma critica negativa, é altamente positiva, pois se conhece o seu poder, sabe onde usá-lo, e melhor, como usá-lo.
O gênio não vê o mundo, o gênio observa o mundo, vê cada detalhe que para nós, pobres mortais, não existe. Com a sua sensibilidade transforma a vida, não só sua, como de todos ao seu redor. Transmite no ar, a sua segurança, faze-se acreditar, e sabe o que transmite.
Gênios temos poucos, e tenho a oportunidade de conviver com um quase que diariamente. Não sei de onde lhe brota ideias, pensamentos, ânimo na busca do novo, mas é empolgante, me deixa extremamente contente, contente de saber que um dia convivi com um elemento que futuramente estampará inúmeras e inúmeras ementas, dos mais variados cursos e disciplinas.
E para quem não lhe entender, sinto muito, gênios não precisam de explicação, eles são.

T.D.O.Marques

segunda-feira, setembro 24

Pequena gigante.



Você é pequena nêga
Mas seu coração
Ah seu coração nêga
É grande por demais

Você é pequena nêga
Mas seu espírito é de alegria
E essa alegria nêga
É grande por demais

Você é pequena nêga
Mas é gente boa
E sua bondade nêga
É grande por demais

Você é pequena nêga
Mas é minha amiga
E que nossa amizade nêga
Continue grande por demais.

T.D.O.Marques

sábado, setembro 22

Azeviche

Feliz melancolia
Triste leveza
Em mentes sãs
Doentias belezas

Cheio de manias forçadas
Embebido em alegria
Afagado pela tristeza
Enfraquecido pela grandeza

Casquilho desajeitado
Maltrapilho airoso
Com olhar sereno
São todos querençosos

Senhores de sua própria vida
Elementos de contemplação
Em toda sua formosura
Um azeviche em total formação.

T.D.O.Marques


quinta-feira, setembro 6

"...universal porém singular"

Extrapolava a boca
Descia a garganta infinita
Pulsava no peito altivo
Balançava e mexia

De ponta a ponta
De tons agudos e graves
De total liberdade
Gesto universal porém singular

Ar quente, insosso
Ar gélido, impávido
Rasga a alma e transforma
Sensação universal porém singular

Puro sentimentalismo
Puro pensamento
Feio e magnífíco
Elemento universal porém singular.

T.D.O.Marques

sexta-feira, agosto 31

Nesta severina.

Não vou amar
Não vou sofrer
Não vou chorar
Não vou nem pensar

Vou dizer que não amo
Vou dizer que não sofro
Vou dizer que não choro
Vou dizer que não penso

Penso em abdicar
Da carne que me consome
Do amor que me distrai
E some

Ao dizer que não quero
É o que eu mais quero
Ao dizer que não sinto
É que mais me traz conflito

Da ternura do espontâneo
Do diário da rotina
Me faço elegante
Nesta severina.

T.D.O.Marques

domingo, agosto 26

O terremoto apenas começou

Quando eu sumir, desaparecer
Eu vou estar o mais presente possível
Vou fazer da não presença
A maior causa de existência

Quando eu silenciar
Eu vou estar dizendo o máximo que posso falar
Pertubador silêncio gritante
De aguda sinfonia

E quando o chão parar de tremer
O terremoto apenas começou
Pois de fases e elementos
Eu sou todos, inclusive nenhum.

T.D.O.Marques

sexta-feira, agosto 24

Vai e vem interminável

Aquela areia branca
Uma imensidão azul
Vento lavando o rosto
Vai e vem interminável

Formado no interior do peito
Expelido em formas simbólicas
Abraço o imaginário
Imaginário que não me satisfaz

Pensamentos, imagens, sonhos
Transmitem a emoção
Emoção que já não tenho
Não mais sonho, apenas respondo.

T.D.O.Marques



terça-feira, agosto 21

Reação


Fez-se estranho o que era comum
Fez-se luxuoso o que era singelo
Fez-se da vida uma mera melodia
Fez-se amor de um simples esmero.

Passavam-se as horas
Passavam-se as estações
Passavam-se canções
Passavam-se eternos verões.

Tu fizeste complicação onde apenas o ar soprava
Tu quiseste aquilo que o fogo consumia
Tu esperavas que a terra simplesmente lhe contemplasse
Tu esperavas que a água brotasse e abundasse, onde tu apenas a confundia.

Foi rio
Foi mar
Foi oceano
Só não foi espontâneo

T.D.O.Marques

domingo, agosto 19

"... no céu a passear..."


Em campos de essência esmeraldina
Observo a grama a balançar
O rio a passar
E a vontade aflorar

Sol a meio talo
Um alaranjado engraçado
Um botão de laranjeira à exalar
O doce perfume de uma paisagem perfeita
Passarinho cantando estanque na porteira
O gado a passear
Ocê de alma serena
De cheiro adocicado
Com pequenos movimentos a me afagar

A luz do lampião
Um pequeno clarão no céu a passear
Uma estrela cadente
Um desejo ardente
Um beijo envolvente
Um sorriso quente
Nos pomos a deitar...

T.D.O.Marques

quarta-feira, agosto 15

"Ascendente aurora matutina
Traz contigo o sol de outro dia
Pra confortar a noite escura
Que em sua totalidade me afligia"

T.D.O.Marques

segunda-feira, agosto 13

"... e o existir é o que eu mais quero."

Eu me fiz presente em existência e pensei que minha existência de nada valia, vi você um dia parada, olhei para ti e fiquei magnificado, seu olho veio de encontro ao meu e fiquei simplismente abobalhado, um sorriso, um olhar baixo, um desvio de olhar, me era suficiente para pensar que ali existia uma existência maior do que havia.
Não era abstrato, não era concreto era o simples ser, de existir por existir, de ser por ser. Pensava que estava vendo muito, onde o nem um pouco existia, e estava vendo mesmo.
A visão me tirou o olfato, que me tirou o tato, que me tirou a fala e me tirou a imaginação, ai eu voltei a ficar abobalhado, mas a visão, oh... a visão ainda me é bela, e de mim ninguém tirava.
Formações de uma sinuosa harmonia, sem nexo, sem começo nem fim...
Só que o medo paralisa e traz a tona o sentimento de inexistência, pois meu único medo é o existir, e o existir é o que eu mais quero.



domingo, agosto 12

"meu único medo é o existir,
e o existir é o que eu mais quero..."

domingo, julho 29

...impuro.

Um vinho a tira colo, uma noite clara e uma música simples e calma a tocar, coração bate devagar, já não sei se sou o vento se sou o silêncio, sou parte do ambiente, já não faço mais parte de mim, meu corpo não me pertence. A música toca e meu corpo se mexe sem perceber, uma bela sinfonia, uma composição corporal. Danço essa valsa do tempo, esse fazer do tempo e dos elementos. Sou simples existência de ser em abstrato pensamento impuro.
Faço do complexo a minha simplicidade de ser, existo sem a totalidade elementária que compõe o nosso ser, faço o existir um simples gesto de permanecer em constante abstração impura.

domingo, julho 15

 Gotas do céu para coroar

Uma linda união

Com amor e muita paixão

Água pra fazer brotar flor desse lindo amor.



 T.D.O.Marques

Foto

quinta-feira, julho 12

Uma tristeza que não me é indiferente
Uma tristeza que não é do meu ser
Me sinto um palhaço
Um triste palhaço
Sorri, sorri, sorri
Mas na realidade, só chora
Busca aliviar sua desgraça no sorriso alheio
Só busca a felicidade mas não a desfruta
Tristeza
Uma simples tristeza.

T.D.O.Marques

segunda-feira, julho 9

"É apenas mais um dia"


As noites fugazes que levam meu pensamento à você, são as mesmas que afugentam meu coração de te querer. Pensamentos vão a mil e o meu coração dispara sem ritmo. Um ritmo descompassado que me faz levantar ao som do sino.
Como sempre, levanto rigorosamente às 06:35, olho no celular e não te vejo, levanto meio sonolento, caminho até o banheiro , escovo os dentes, vou até onde minha mãe se encontra, lhe dou um abraço, volto ao meu quarto, troco minha roupa, olho o celular você não está lá, ainda sonolento, vou no quintal, afago a cachorra, como num momento sem nexo, converso com ela, que sempre me ouve e nunca recusa carinho, retorno ao banheiro, lavo minhas mãos, que no frio quase congelam, vou no quarto, olho o celular sem você outra vez, tomo meu café, uma caneca cheia, 200 ml de cafeína e nada mais, volto ao quarto pego o celular e não te vejo, deixo o celular e saio, porque não importa, é apenas mais um dia, apenas mais um dia...

T.D.O.Marques

Paradoxo de Aleph?


Aleph é um garoto levado que gosta de política. Gosta de política, mais não entende os políticos. Não entende os políticos pois não entende os seus pais. Não entende os seus pais pois não vê as atitudes. As atitudes que os pais falam. Falam mas não cumprem. Não cumprem por que segundo seu pai: “Não tem como meu filho”. Aleph estuda. Estuda em escola pública. Mas não entende a escola pública. Não entende a escola pública pois não entende seus colegas. Não entende seus colegas porque a diretora é conivente. A diretora é conivente porque tem medo dos alunos. E os alunos são bagunceiros, menos na frente da diretora. Pois tem medo da diretora. Aleph não entende. Se um tem medo do outro, porque os dois convivem e nada caminha? Não caminha por que o governo não quer. O governo não quer, por que caminhar custa caro. Custa caro por que pensar é perigoso. É perigoso por que pensar gera dúvidas. Dúvidas são cruéis. Cruéis por que ninguém sabe responder. Não sabe responder por que não sabem mais quem são. E não sabem mais quem são por que fazem política. Fazem política por que gostam. Mas Aleph gosta de política. E Aleph não faz o que eles fazem. Aleph se pergunta: “Isso que é paradoxo?”. Seu pai responde: “Não tem como meu filho”.

T.D.O.Marques

quinta-feira, julho 5

"[...] que duram uma eternidade"

Quero te falar palavras doces
Que sejam tão doces como és
Que seja tão simples como eu quero
E que transmita tanta emoção que nem eu perceba

Quero te ver por instantes
Instantes mágicos que fazem feliz
Até o mais triste coração
A mais passível alma
Mas que duram uma eternidade

Thomaz Diniz O. Marques



terça-feira, julho 3

Ah, se exploda coração!

Tenho muito tempo
Mas o tempo sem te ter
Tenho muito ainda
Mas ainda vou viver
Tenho coisas simples
Mas me falta emoção
Ah, se exploda coração!

                                          Thomaz Diniz O. Marques



Foto

sábado, junho 30

Ter e não ter.


Tenho que entender esse ter
Ter e não ter
Ser e não ser
Parecer e não aparecer
Viver e não viver

Sem razão
Sem complicação
Apenas a noção
De existir por existir, sem ter que ter.

Thomaz Diniz O. Marques




Foto

domingo, junho 24

Sabedoria.


 
Como é bom ser verdadeiro
Como é bom saber das coisas
Mesmo que os outros não saibam
Mesmo que só eu conheça
Senhores, eu conheço, eu sou o único que vejo
Em meu trono de boçalidade
Vejo meras formigas
Formigas inúteis
Que me servem de diversão
Piso, maltrato e trato como quero
O que são formigas perto do meu trono de soberania?
Sabedoria única, jamais vista
Sabedoria da minha inutilidade.

Thomaz Diniz O. Marques

 


Link da foto